Saulo Dentista diz que perda do ISS em Poá é ‘tragédia anunciada’

Categorias

Acordo do Banco Itaú com a CPI da Sonegação Tributária trará perda de R$ 130 milhões para a cidade; se o empréstimo fosse aprovado, município ficaria atolado em dívida

O vereador Saulo Teixeira Alberto da Costa (PFL), o Dr. Saulo Dentista, falou durante a sessão ordinária de quarta-feira, dia 14, que a notícia da transferência das operações do Banco Itaú de Poá para São Paulo já era uma “tragédia anunciada”, tendo em vista que a cidade só está recebendo o ISS (Imposto Sobre Serviços), de cerca de R$ 130 milhões, proveniente das transações de leasing e cartões (Itaucard), por causa de uma liminar concedida pela Justiça. “Nós já corríamos o risco de perder essa arrecadação. Graças a Deus essa Casa de Leis derrubou, na semana passada, o projeto que autorizaria o Executivo a contrair um empréstimo no valor de US$ 30 milhões com o Fonplata, da Bolívia”, disse, em seu discurso.

Saulo Dentista ainda levantou a hipótese de o Executivo poaense já saber dessa investigação: “Será que não previram isso? Será que esse acordo foi mesmo feito de última hora? Quais as verdadeiras intenções do governo com esse empréstimo? Para mim, uma irresponsabilidade!”, disse, lembrando que a cidade poderia ficar com uma dívida de 15 anos, se o projeto fosse aprovado.

Ele citou, ainda, o fato de, coincidentemente, dois a três dias depois da votação do projeto dos 30 milhões de dólares, ser divulgada a notícia do acordo. “Queremos e devemos agora fazer alguma coisa para não perder essa arrecadação, que, para os poaenses, vai fazer muita falta”, frisou, acrescentando que a criação de uma Comissão para defender os interesses do município, proposta por outro vereador, tem seu total apoio. “Não queremos que a cidade perca o repasse do ISS, que representa cerca de 30% a 40% de sua arrecadação”, lamentou.

Acordo

O Banco Itaú fechou, no dia 9 deste mês, um acordo com a CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Sonegação Tributária da Câmara de São Paulo, que prevê a transferência de suas operações de leasing, de cartões (Itaucard) e da empresa de maquininhas Rede para a capital paulista. A empresa tem entre 30 a 180 dias para realizar a transferência.

Contudo, o banco se comprometeu a transferir as atividades da carteira de arrendamento mercantil (leasing) do Itaucard, localizada atualmente em Poá, em 45 dias. A outra transferência, também de Poá, será feita no prazo de até 180 dias, e trata-se das atividades de gestão de cartões do Itaucard.

Com isso, o banco estima que a Prefeitura de São Paulo passe a arrecadar cerca de R$ 230 milhões ao ano.

Atualmente, o Itaú concentra suas operações em Poá e Barueri, na Grande São Paulo. As operações tiveram início nesses municípios em 1990.

Antes do acordo, parlamentares da Capital realizaram inspeções nas empresas, inclusive em Poá, onde afirmam que só existem no local 14 funcionários, o que levou à conclusão que a maior parte das transações é realmente realizada na sede do Itaú na capital paulista. 

CPI

Instalada em 2018, a CPI investiga possíveis fraudes e sonegações fiscais de empresas de leasing, factoring e franchising com atuação na cidade de São Paulo, mas que possuem CNPJ registrados em outros municípios.

VS Comunicação Assessoria

Texto: Vania Sousa (11 965654394)

Foto: Éder Cruz

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*