Poá é a cidade do Alto Tietê que mais fechou postos de trabalho em 2018

Categorias

Cidade fechou 626 postos de trabalho.

Por William Tanida, Diário TV 2ª Edição

Quatro das dez cidades do Alto Tietê terminaram 2018 com saldo negativo no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). A pior situação registrada foi a de Poá, com o fechamento de 626 postos de trabalho.

O padeiro Juarez Bueno de Souza é um dos moradores da cidade que vivencia a situação do desemprego. Ele conta que em um ano já foi ao Posto de Atendimento ao Trabalhador (PAT) mais de 20 vezes em busca de uma oportunidade de emprego, mas sem sucesso, isso porque agora ele já aceita o que aparecer.

“Com essa crise que está aí não tem serviço nenhum. Está muito difícil de serviço. Exigem muitas coisas e não tem condições”, pontua.

A crise provocada pelas mudanças da regra do Imposto Sobre Serviço (ISS), que reduziu a receita líquida anual do município em quase 30%, é apontada por muitos como uma das causas do aumento do desemprego em Poá. O setor de serviços foi um dos mais afetados.

“A redução no consumo num todo trouxe esses números para a indústria e comércio”, avaliou o secretário municipal de Indústria e Comércio.

Para o presidente da Associação Comercial de Poá, a redução de emprego é pontual no setor de serviços. “Com a queda de serviços pelo aumento da alíquota do ISS”, pontuou.

Na lista do Caged outras três cidades da região aparecem com redução no número de postos de trabalho, são elas Santa Isabel com menos 456 vagas, Salesópolis com menos 61, e Biritiba Mirim com saldo negativo de 32 postos de trabalho.

O economista Claudio Costa analisa que das cidades do Alto Tietê que tiveram o pior desempenho no levantamento do Caged, Poá é um pouco mais preocupante porque mesmo o setor de serviços foi afetado.

“Aí a gente teria que trabalhar com mais cuidado as questões tributárias que fazem com que empresas e comércios migrem para outras cidades”, destacou.

Apesar do resultado ruim na pesquisa, Poá tem boas expectativas de mais vagas de emprego em 2019 com a chegada de novos investidores.

“Nós conseguimos a vinda de um complexo de fast food e um posto de gasolina, a vinda aqui no bairro de Calmon Viana de uma rede de supermercados e uma provavel vinda de uma outra rede grande para a Vila Varela”, destacou o secretário.

Com essa boa notícia, Rozinete Aparecida da Silva que aos 50 anos de idade está há tempos à procura de uma oportunidade, não quer perder a esperança.

“Vamos ver se eu consigo lanchonete ou essas coisas e Aí eu posso conseguir algo”, destacou.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*