Audiência Pública para empréstimo de R$32 milhões de Dólares

Categorias

Foi um engodo a Audiência Pública para avaliar o pedido de empréstimo de R$132 milhões de dólares pelo prefeito Giancarlo Lopes junto à organização multinacional formada pelos seguintes países: Argentina, Bolívia, Brasil, Paraguai e Uruguai.
Para quem interessava a audiência realizada no último sábado, 4, no Plenário “Vereador Osvaldo Leite Dantas” da Câmara Municipal de Poá, a partir das 10 horas e que terminou por volta das 16 horas? Seria para toda municipalidade, menos ao prefeito que sequer fez ampla divulgação desta audiência. Muita gente não ficou sabendo de nada, a não ser cerca de 200 ou no máximo 300 pessoas; na sua grande maioria composta por facções que usufruem em proveito próprio com vistas às próximas eleições. Não se viu componentes de forças vivas do Município como representantes de entidades comunitárias, de órgãos como a OAB, dos Engenheiros, Associação Comercial e Industrial, clubes de serviços, clubes sociais, Maçonaria, igrejas em geral, ou seja, comunidades religiosas, representantes de classes dos taxistas, professores, funcionários públicos entre outros. Enfim, uma pequena minoria, talvez alguns representantes de comunidades apartidárias.
O que se viu foi uma apresentação explicativa do que o prefeito pretende, e do jeito que vai, irá conseguir sua aprovação amanhã pela Câmara Municipal, porque parece que já está carimbada sua aprovação, pois é sabido que o executivo detém a maioria dos votos. Então o que era para fazer uma exposição dos reais motivos para este empréstimo não aconteceu. Foi transformada esta audiência num grande bate-boca entre lideranças partidárias com vereadores e até mesmo entre eles. O tempo foi passando e na hora das perguntas reservadas ao povo muita gente já havia ido embora vencida pelo cansaço. Talvez o grande propósito da administração através dos representantes do governo Secretário Augusto de Jesus e do engenheiro Alberto do Pinho Novo, encarregado pelas respostas aos participantes.

Audiência Pública em Poá


Contudo, a grande maioria da população não ficou sabendo do que poderá acontecer na sessão de amanhã, pois, sequer ficou sabendo desta audiência. Se ela foi importante para uma tomada de posição de alguns vereadores, ou se irá beneficiar aqueles que votarão a favor do empréstimo em detrimento ao povo.
Para o munícipe Carlos Chiarelli, Poá tem 17 km de área e uma população de 110.000 pessoas. Não tem área Rural e não tem favelas, não tem invasões, não tem Pontos Turísticos, que demanda custos. Tem uma Zona Industrial pequena, que nem é necessário muito investimento pra escoar os produtos. Resumindo, custo baixíssimo, se comparar com vizinhos. Porém, tem a maior arrecadação do Alto Tietê, com mais ou menos R$ 1.300.000,00 por dia, através de impostos e taxas, pode se dizer sem dúvidas, que se tratando sobre verbas, estamos no Paraíso. Diante deste quadro nada justifica este empréstimo, fala Chiarelli.
Já Antônio Gonçalves também ressalta que na história de Poá nunca ouviu falar que um município solicitou um empréstimo desta importância. Agora aparece Gian Lopes e Augusto de Jesus com está ideia, mas o pior é que eles já montaram uns vereadores bonecos pra isso, conclui.
O munícipe Marcos Dornel responde a Joséf Bezerra: Se os vereadores realmente representassem o povo à votação seria 17 a 0. Mas sabemos como é o jogo. Por isso vamos acostumando e nos preparando para pagar esse empréstimo, referiu Dornel.
Por sua vez, Lilika Quirino é contra o empréstimo e alega que o prefeito não consegue administrar a cidade com a arrecadação? Não fez nada em dois anos agora quer dinheiro para comprar a próxima eleição via cabos eleitorais fazendo dívida para os munícipes pagar sofrendo pela falta de saúde, educação e transporte precário.

Já para Roberto Cavenatti: citou que o valor é para um novo viaduto, um novo plano diretor, outra visão urbanística, abertura de ruas e avenidas, se for, apenas, para construção de prédios públicos, há de se pensar, com a tecnologia que temos e a que virá, muitos atendimentos serão feitos online, muitos dos imóveis ficarão sem utilidade…
O munícipe Antonio Carlos Pereira Santos critica os vereadores: “O problema é que essas amebas não fizeram nada até agora, e dizem que o dinheiro e para o próximo governo, pois eles acham que vão ser reeleito, porque não deixar essa decisão para o próximo prefeito com certeza não serão eles”, conclui.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*